Segunda, 17 de dezembro de 2018
Redação: 27 99700 - 5717 / Comercial: 27 99640 -3523

24º

Min 23º Max 27º

Claro

Vitoria - ES

às 08:44
Brasil

01/12/2018 ás 20h05 - atualizada em 01/12/2018 ás 20h13

55

EBC - Agência Brasil

Brasília / DF

Mapeamento geológico indica presença de ouro em região do Ceará
Jazidas em terras cearense
Mapeamento geológico indica presença de ouro em região do Ceará
Foto: Reprodução

Áreas dos municípios cearenses de Itapipoca, no norte, e Mombaça e Pedra Branca, nos sertões, apresentam indícios da presença de ouro no solo. A descoberta é resultado do trabalho de geólogos da Residência de Fortaleza do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).


Segundo o gerente de geologia e recursos minerais da Residência de Fortaleza, Edney Smith Palheta, um projeto anterior, feito por uma empresa privada na região de Mombaça, a 300 quilômetros da capital, Fortaleza, abrangendo Pedra Branca e também o município de Independência, já indicava a presença de ouro no local. De acordo com Palheta, o dado apresentado pelo CPRM deixa esse indício mais forte.


“Nosso estudo aumentou a expectativa para condições de, no futuro, haver uma mina na região que seja interessante economicamente. Fizemos um enfoque para estudar mais as ocorrências de ouro, e isso aumentou o leque de potencialidade para a área”, acrescentou Palheta.


Além de ouro, o estudo da Residência de Fortaleza encontrou indícios de chumbo e prata em Irauçuba, a 160 quilômetros da capital, na região noroeste do estado.


Palheta disse que as informações são importantes para atrair investimentos para uma possível exploração comercial dos metais no estado. Ele ressaltou, porém, que o trabalho do CPRM é apenas básico e mostra a potencialidade da área, cabendo às empresas interessadas continuar os estudos verificar a viabilidade econômica do negócio.


O levantamento das áreas dos três municípios, chamada de folha pelos geólogos, faz parte da cartografia geológica básica, que está em processo de confecção há cerca de 10 anos e já mapeou 25 folhas, o que equivaleria à metade do território do Ceará. O documento, conforme o gerente da CPRM, é um instrumento que serve à gestão pública e à infraestrutura, pois dá suporte a qualquer tipo de exploração do solo.


“A água, por exemplo, é uma necessidade pública. Nem todo local que é perfurado tem água. O mapa geológico indica a presença de água subterrânea e dá condições para que essas áreas possam ser prospectadas”, explicou Palheta.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium