Sexta, 16 de novembro de 2018
Redação: 27 99700 - 5717 / Comercial: 27 99640 -3523

28º

Min 23º Max 28º

Muito nublado

Vitoria - ES

às 14:37
Política

12/08/2018 ás 22h27 - atualizada em 12/08/2018 ás 22h35

108

Redação

Teresina / PI

Mercado político prevê 50% de renovação na Assembleia Legislativa
A coligação do DEM, PDT, PPL deve eleger até três deputados, entre eles, Theodorico Ferraço
Mercado político prevê 50% de renovação na Assembleia Legislativa
Foto: Reprodução

Pelo menos 50% dos atuais deputados estaduais têm possibilidade de serem reeleitos, segundo projeções elaboradas por especialistas em cálculos de densidade eleitoral e lideranças políticas atuantes. O cenário segue a tendência registrada do mercado, mas pode ser alterado no decorrer da campanha, que começa na próxima quinta-feira (16), por inúmeros fatores, principalmente o desempenho dos concorrentes. 


A maior bancada deve ficar com a coligação - “perna” - PRB-PSL-PR, do grupo do candidato ao governo Carlos Manato, apoiador do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que deve levar à Assembleia de três a quatro eleitos, entre eles, os atuais deputados Hudson Leal e Erick Musso, ambos do PRB. 


Em seguida, segundo as projeções de lideranças políticas, vem a coligação PSB-DC, da base de apoio ao ex-governador Renato Casagrande (PSB), reelegendo os deputados Sergio Majeski, Bruno Lamas e Freitas, todos do PSB. No grupo, tem ainda Euclério Sampaio (DC), brigando pela vaga.


O MDB do governador Paulo Hartung, que já teve a maior bancada na Assembleia, com seis deputados, deve fazer dois, Dr. Hércules e, na disputa, José Esmeraldo ou o ex-secretário de Segurança Pública, André Garcia. 


A “perna” formada pelo DEM-PSD-PDT-PPL deve fazer de dois a três deputados, sendo uma vaga para o experiente Theodorico Ferraço (DEM), seguido de Marcelo Santos (PDT) e Sueli Vidigal, do mesmo partido, e Enivaldo dos Anjos (PSD).  


O PSDB, coligado com o PSC, tem possibilidade de fazer Vandinho Leite (PSDB), secretário do partido, Guerino Balestrassi (PSC), e pode reeleger, com esforço, Marcos Mansur (PSDB), de Cachoeiro de Itapemirim, sul do Estado.  


O PT, isolado, deve reeleger o Padre Honório, ficando na dependência de outros fatores para mais uma vaga, a ser preenchida pelo deputado Nunes, Iriny Lopes ou Carlos Casteglione. O Psol, sem coligação de peso, trabalha com Brice Bragato ou Camila Valadão, com reduzidas chances de vitória. 


Já a coligação PTB-PMB, do bloco do candidato ao governo Aridelmo Teixeira, deve fazer um estadual, com maiores possibilidades para Adilson Espíndula ou Marcos Viváqua. 


Muito apertado, o PHS-PV-SD elege, de acordo com as projeções, Carlinhos Lyrio (PHS) e espera as “sobras” para beneficiar o vereador de Cariacica, César Lucas (PV).

Do lado do PPS-Avante-PTC, tem eleição garantida o vereador Fabrício Gandini (PPS). Com o PP-Pros a deputada Raquel Lessa (Pros) pode ser reeleita, com possibilidade ainda de fazer Renzo Vasconcelos (PP).  


Na “Perna’ PRP-PCdoB tem chances o deputado Dary Pagung (PRP) e o delegado de Polícia Civil Lorenzo Pazolini (PRP).

Com a coligação Rede-Podemos-PMN-PRTB-Patriota, do palanque da senadora Rose de Freitas (Podemos), as projeções indicam a reeleição de Janete de Sá (PMN), com possibilidade de levar, também, Marcos Bruno (Rede). O Podemos está perdendo muitos candidatos por conta da pesada coligação. Deve eleger apenas dois estaduais.

FONTE: Século Diário

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium