domingo, 22 de julho de 2018
Redação: 27 99700 - 5717 / Comercial: 27 99640 -3523

19º

Min 18º Max 25º

Claro

Vitoria - ES

às 07:55
Brasil

24/06/2018 ás 16h33 - atualizada em 24/06/2018 ás 16h37

28

Redação

Teresina / PI

Refugiados e estrangeiros elogiam receptividade dos brasileiros
Imigração
Refugiados e estrangeiros elogiam receptividade dos brasileiros
Foto: Reprodução

O Brasil tem mantido a fama de ser um país que recebe bem estrangeiros que, por motivos de força maior, foram obrigados a adotá-lo como segunda pátria. Refugiados ou mesmo residentes estrangeiros entrevistados pela Agência Brasil – entre eles a princesa da tribo ganesa Krobo, Helen Teye – não economizam adjetivos positivos para a forma como foram recebidos pelos brasileiros.




Migrarte 2018 - Encontro celebra o Dia Mundial do Refugiado e a Semana do Migrante. O evento acontece no Memorial dos Povos Indígenas. Na foto, Helen Teye, de Gana, vendedora de artesanatos



Princesa da tribo ganesa Krobo, Helen Teye, vende artesanato no MigrArte, em Brasília, durante a Semana do Migrante - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agênci



Ter uma vida de princesa pode não ser algo tão bom como se costuma imaginar. No caso de Helen Teye, que vive no Brasil desde 2014, em Gana isso representava risco de vida, devido aos conflitos entre etnias que viviam na mesma região. “Não queria viver esses conflitos e não queria continuar na minha vida de princesa, porque isso representa risco em uma situação de conflito com outras etnias. Eu dormia sem saber se sobreviveria ao dia seguinte. Aqui, eu durmo tranquilamente, com paz em minha cabeça. Ninguém me ataca nem me insulta”, disse a princesa.


Helen é um dos estrangeiros que participam hoje (23), no Memorial dos Povos Indígenas em Brasília, de uma celebração intercultural que visa integrar brasileiros com pessoas de outros países, que optaram por morar no Distrito Federal. O encontro faz parte de uma série de eventos organizados com o objetivo de lembrar o Dia Mundial do Refugiado (20 de junho) e a Semana do Migrante, o MigrArte 2018.


O início da vida no Brasil foi bastante difícil para a princesa. Emocionada ao lembrar os momentos de dificuldade e ao falar da receptividade dos brasileiros, ela revelou as dificuldades que teve até mesmo para pedir dinheiro ou comida nas ruas, na época em que vivia em um acampamento improvisado. “Como ninguém aqui fala meu dialeto, e poucas pessoas se comunicam em inglês, eu não conseguia me comunicar nem mesmo para dizer que estava passando fome. Só depois de ter aprendido a falar a palavra ‘comida’ é que a coisa começou a melhorar. Por isso, digo que, para mim, a palavra mais importante do português é ‘comida’ ”, disse a princesa à Agência Brasil.


A virada na vida de Helen no Brasil ocorreu depois de ela começar a frequentar uma igreja, em Brasília. “Foi isso que acabou com a minha solidão no Brasil. Quando cheguei não conhecia ninguém. Na igreja, eu conheci as primeiras pessoas, e elas me ajudaram muito. Pude então começar a vender roupa e artesanato. O Brasil realmente me ajudou muito”, afirmou, de forma pausada, por causa da emoção e das lágrimas.


Helen disse ter uma grande preocupação com a situação político-eleitoral brasileira. “Minha experiência mostra o quão difícil é viver em um país dividido. Não queiram dividir o Brasil, porque a divisão é sempre ruim para todos os cidadãos de um país. Por isso, peço que tenham o desejo de paz na hora de votarem, este ano. Eu quero viver aqui, e quero que a paz que vi aqui continue”, acrescentou.


Venezuela


As crises política e econômica da Venezuela fizeram com que a artesã Fadwa Bittar,de 26 anos, tomasse a “difícil decisão” de tentar a vida por aqui, com o objetivo de ajudar financeiramente os pais idosos que ainda vivem em seu país. Ela chegou ao Brasil em 2016. Desde então viveu em Roraima, Amazonas e Rondônia até chegar a Brasília, no ano de 2017.


 




Migrarte 2018 - Encontro celebra o Dia Mundial do Refugiado e a Semana do Migrante. O evento acontece no Memorial dos Povos Indígenas. Na foto, a venezuelana Fadwa Bittar



A venezuelana Fadwa Bittar, que vende produtos de crochê, disse que foi bem recebida no Brasil - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agênci



Fadwa tem conseguido enviar dinheiro aos pais, com a venda do artesanato que produz. “Apesar de ser advogado, meu pai não conseguiu se aposentar”, disse a moça, que vende produtos em crochê (em especial roupas para bebês) e bijuterias. Boa parte da venda é feita pela internet.


Ao chegar ao Brasil, solicitou refúgio, sem sucesso. Apesar de não ter conseguido, está satisfeita com a situação de residente. O pior momento foi quando, recém-chegada em Boa Vista, teve suas peças roubadas por outros venezuelanos.


“O Brasil me recebeu muito bem. As pessoas aqui são boas, agradáveis, e têm me ajudando, inclusive, a resolver questões burocráticas, porque tenho de renovar minha situação de residente a cada dois anos. Isso sem falar nos amigos que já me ajudaram com dinheiro e com comida”, disse ela ao ressaltar que a acolhida dada pelos brasileiros foi o que de melhor lhe aconteceu, desde a chegada.


Fadwa diz que pretende retornar à Venezuela, mas para que isso aconteça, a situação em seu país precisa melhorar. “Há uma ditadura disfarçada na Venezuela, que fica ainda pior por conta dos embargos e sanções aplicados por outros países. Metade dos nossos problemas são causados pelo governo. A outra metade é por causa de sanções e embargos”.


Afeganistão


Refugiado há quatro anos no Brasil, o afegão Omidullah Hamidzai, 30, trabalha com gastronomia e com a importação de frutas secas e pedras. No evento de hoje, no Museu do Índio, ele estava vendendo pastel afegão típico, recheado com legumes.




Migrarte 2018 - encontro celebra o Dia Mundial do Refugiado e a Semana do Migrante. O evento acontece no Memorial dos Povos Indígenas. Na foto, o afegão Omidullah Hamidzai, vende comida típica



O afegão Omidullah Hamidzai, e seus irmãos, venderam comida típica no evento - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agênci



“Eu era militar em meu país. Participei de vários conflitos até decidir que não queria mais isso para minha vida. Desde o contato que tive com brasileiros em Moscou (Rússia), onde fiz um curso de Direito, tive vontade de vir para cá. Eram pessoas muito boas. De lá retornei ao Afeganistão, já tendo o desejo de mudar para o Brasil", disse.


Segundo ele, o Brasil se encaixa perfeitamente aos desejos idealizados que o povo afegão tem de sociedade. “Aqui eu estou feliz porque tenho liberdade, e por ter facilidades para trabalhar. As pessoas têm boa vontade para ajudar pessoas em situação similar à minha”, disse o afegão. A única coisa que lamenta ter passado em território brasileiro foi o roubo de ter seu celular, há cerca de dois meses.


Um de seus quatro irmãos, Ahmadullah Hamidzai, fritava os pastéis. Ele contou que é medico, mas não pode exercer a profissão no Brasil. Ahmadullah chegou há quatro meses. “Meu sonho é poder voltar a exercer minha profissão aqui no Brasil. Por enquanto, estou me dedicando a estudar o português”, disse, em meio a elogios sobre a maneira como tem sido tratado no país.


Colombia


A refugiada colombiana Matilde, 45, chegou há cinco anos, acompanhada do marido que, preocupado com a possibilidade de o atual governo de seu país retomar o conflito com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), não quer ter seu nome divulgado. Os dois aproveitaram o evento no Museu do Índio para vender uma espécie de canjica cozida chamada Arepa, feita com milho, sal, queijo ralado e manteiga.


“Foram os conflitos entre as Farc e o governo Colombiano que nos fizeram mudar para o Brasil. Nós vivíamos em um fogo cruzado. Agora, após o candidato vitorioso [Iván Duque], que toma posse como presidente no dia 7 de agosto] ter defendido a modificação do acordo de paz entre governo e as Farc, nossa preocupação é com a possibilidade de esses conflitos serem retomados”, disse o marido de Matilde, que é também refugiado.


Segundo o casal, a recepção dada pelos brasileiros foi excelente. “Fomos muito bem recebidos. Agora, o que mais desejo é voltar a trabalhar como operador de máquinas pesadas”, acrescentou.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
 Direito & Cidadania

Direito & Cidadania

Blog/coluna Toda a semana você terá um assunto relacionado a direito e cidadania.
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium