Segunda, 18 de junho de 2018
Redação: 27 99700 - 5717 / Comercial: 27 99640 -3523

22º

Min 21º Max 22º

Parcialmente nublado

Vitoria - ES

às 12:15
Política

23/12/2017 ás 10h24 - atualizada em 23/12/2017 ás 10h34

157

Redação

Teresina / PI

Hartung muda postura e passa a apoiar governo Temer
Postura
Hartung muda postura e passa a apoiar governo Temer
Governador Paulo Hartung

BRASÍLIA – Bastou o governo Temer melhorar um pouco para antigos desafetos passarem a apoiá-lo.


Caso do governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), que andava tão descontente com o partido que já havia anunciado sua saída da legenda.


Chegou a defender a substituição de Temer por Rodrigo Maia, presidente da Câmara, logo após a veiculação dos áudios da JBS, na ação permitida pelo ex-PGR Rodrigo Janot.


Com a possibilidade do governo melhorar e indicar o vice presidente da República, ano que vem, PH repensou sua estratégia. Temer já disse que não será candidato a reeleição. E nem deve.


Num evento em Vitória com a presença do ministro do PMDB Osmar Terra, Hartung deu apoio ao governo reformista de MT: “é preciso o Brasil seguir o governo reformista de Michel Temer”.


Neste mesmo evento, Terra (foto) lançou Hartung candidato a presidente da República. Muito mais para ele não sair do partido. PH não esta com essa bola toda.



Só para relembrar:


O que Hartung disse no 12º Encontro de Lideranças Empresariais, realizado pela Rede Gazeta, Unimed e Águia Branca, em Pedra Azul, Domingos Martins.


Confira os principais pontos do discurso e da entrevista do governador:


LADOS


Precisamos de uma liderança responsável para tirar o Brasil do buraco. Neste momento, não é o que temos. É Bolsonaro de um lado e Lula de outro. E não tenho problema nenhum com Lula. Não vou nunca deixar de falar isso publicamente. Mas o Lula que está aí é o Lula das corporações. Perdendo a classe média, perdendo apoio no empresariado, ele abraçou as corporações. Um líder de corporações num momento em que o país precisa abraçar uma agenda mudancista não é o que vai dar liga.


NO CENTRO


Precisamos que o centro da política no Brasil ganhe espaço. Só vejo isso possível se a economia melhorar e se essa melhoria chegar ao povo. E só chega ao povo se aumentar emprego e renda. Se não chegar no Brasil de carne e osso, vamos ter uma eleição radicalizada. Se 2018 não provocar isso, estaremos na mão de uma aventura gravíssima.


DISPOSIÇÃO


Estou cuidando da minha tarefa de governador. Simultaneamente, estou participando como nunca do debate nacional. Sempre fui tímido quanto a isso. Desta vez, por algum motivo, talvez por necessidade, a timidez desapareceu. Se entrar no debate nacional reivindicando posições, não ajuda.


PARTICIPAÇÃO


Estou ‘pau para toda obra’. Se a gente fizer uma chapa boa, eu não estiver nela e precisarem de mim no projeto nacional, eu estarei à disposição. Eu posso estar. Se não estiver, posso estar à disposição para ajudar no projeto nacional.


REVOLUÇÃO


Num tempo em que uma liderança, no meu lugar, estaria usando a crise como desculpa para nada fazer, ouso dizer que este governo que estou liderando, com esse timão ao meu lado, é o melhor do que os outros dois que fiz. Nós estamos fazendo revolução.


CRISE


O Espírito Santo já saiu desta crise doida que estamos vivendo. Nossa carteira de projetos está muito robusta, tanto é que estamos tendo que ampliar a área de licenciamento ambiental para dar vazão aos pedidos. Acho que, quando a gente olha para frente, temos um futuro bom, contratado. O que temos como pedra no caminho é o Brasil. É muito preocupante o que estamos vivendo.


REFORMAS


A ausência de reformas é um entrave. O endividamento do país está crescendo muito rapidamente. Os investidores nacionais estão de olho nesse endividamento. Se isso continuar crescendo exponencialmente, esses investidores se mandam daqui. A retomada só ganha consistência se a gente reformar o país. Temos que debelar a crise fiscal.


REELEIÇÃO?


Lá em abril a gente decide se vou para cá ou para lá. Agora, a hora é de cuidar do Espírito Santo e de ter participação forte no debate nacional.


PARTIDO


Estou conversando. Agora mesmo conversei com Ricardo Ferraço sobre essa questão partidária. Acho que, até o final do ano, faço a migração partidária. Vamos ver (se será para o PSDB). Essa é a conversa.

FONTE: Agência Congresso

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium